Um susto, um atropelo hormonal que te derruba e que leva um tempo para que você processe tudo. Estou falando da Menopausa. Principalmente da chegada dela antes dos 45 anos, a Menopausa Prematura.   

            Vou contar um pouco sobre a minha experiência: tinha 43 anos, um filho de 12, uma filha de 8, um casamento de 14. Tudo isso dentro de uma cabeça na qual não cabia a chegada dela. Foi pura solidão. Solidão menopáusica. Vivi por alguns anos essa sensação, os sintomas e as mudanças no meu corpo em total silêncio. Sabe qual foi o primeiro pensamento que eu tive? “Meu casamento acabou! Quem vai querer ficar com uma mulher seca, árida e sem graça, que agora sua do nada, muda de humor em segundos e está ressecada lá embaixo??”

            É loucura pensar assim? Não!! Claro que não! Desinformação é o nome disso. E tudo começou a mudar quando eu comecei a procurar por sites, blogs, perfis que pudessem me ajudar, me acolher, me entender… Mas eu não encontrava e se encontrava não me via representada lá! Eu era uma mulher de 43 anos, não uma senhora de mais idade (com todo o respeito do mundo),e eu queria voltar a sentir prazer de novo, pela vida, pelo sexo, pela alegria de estar viva, pelo meu bem-estar. E essas mulheres não estavam lá nesses buscadores. A Menopausa estava representada lá como algo que não chega para uma mulher antes dos 45, como eu. Eu via imagens de mulheres com muito mais idade do que eu, sempre se abanando ou com aquele olhar um tanto entristecido, tipo: “é assim mesmo, se acostume”. E aquela não era eu! Quer dizer, era um pouco eu, mas não exatamente eu, pois eu queria encontrar uma mulher ali, com menos de 45 anos contando como fez para gestar toda essa metamorfose menopáusica dentro dela e voltou à vida e talvez até melhor do que era! Você me entende?

            E foi assim, totalmente desinformada que comecei o meu gestar menopáusico. Resolvi eu mesma criar um perfil no Instagram (@antesdoscinquenta) e olha, não foi de cara que comecei a falar sobre isso, não! Mas como eu estava muito perdida e não tinha nenhuma outra mulher da minha idade com quem eu pudesse falar sobre isso, joguei meu coração menopáusico na mesa das redes sociais e foi uma revolução.

            Descobri o quanto esse gestar menopáusico também era o desejo de outras mulheres. Conheci e conheço a cada dia menopáusicas inspiradoras, que falam e vivem esse ciclo de forma liberta, linda, acolhedora e energizante. Isso me possibilitou esse novo gestar, não no meu ventre, mas na minha alma, no novo jeito incrivelmente perfeito e maravilhoso do meu corpo se despedir de ciclos e de me dar a oportunidade de iniciar outros quando e como eu quiser! O poder menopáusico é seu! Tomar posse dele pode levar mais tempo, pode ser renovador, pode te trazer um novo olhar, pode te fazer chorar, pode te desesperar, pode te dar trabalho, mas pode te entregar uma sabedoria sobre você mesmo como nunca antes! Ele é a prova de que vamos desfrutar mais tempo dessa vida e desse corpo. E que gestar novos começos continuará sempre sendo seu maior dom! Te desejo muitos “gestares” em sua menopausa! Ela é a prova de que fomos agraciadas pela longevidade e é com ela que vamos embarcar nessa jornada!!!

Beijos menopáusicos

Dani Chyla

Dani Chyla é pedagoga, trabalhou como educadora durante 26 anos. Casada, mãe de dois adolescentes, mora em Curitiba.

Aos 43 , quando entrou na menopausa prematura, se viu muito só diante de tantas mudanças hormonais . Quando resolveu falar sobre o assunto nas redes sociais, acabou por formar uma rede de apoio para outras menopáusicas, através do seu perfil : @antesdoscinquenta.

Hoje, ela fala sobre suas experiências com bom humor e leveza!

Deixe uma resposta

Quer ajuda? inicie um chat